Sobre Cavernoma

Exames de Imagens para Cavernoma Cerebral

No Brasil a grande maioria das pessoas com cavernoma cerebral recebem seu diagnóstico por meio de imagens, geralmente ressonância magnética (RM). A tecnologia de imagem avançou ao longo dos anos e a pesquisa em novas técnicas está em andamento.

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

A tomografia axial computadorizada (TAC ou TC) é uma técnica de raios-X que produz imagens de cortes consecutivos de uma parte do corpo.

Vantagem. A vantagem de uma tomografia computadorizada é que ela pode ser realizada rapidamente, geralmente com apenas 5 minutos, e é capaz de detectar sangramento de início recente. A tomografia computadorizada é usada em situações de emergência para descartar novas hemorragias ou outras patologias graves.
Limitações. Embora os angiomas cavernosos possam ser vistos por meio de uma tomografia computadorizada, eles costumam ser difíceis de distinguir de outros tipos de tumores ou outras malformações vasculares. Em segundo lugar, os cortes da tomografia computadorizada podem não ser próximos o suficiente para detectar todos os angiomas cavernosos que uma pessoa pode ter. Por fim, a tomografia computadorizada expõe o paciente à radiação, ainda mais do que a usada em uma radiografia típica e, portanto, é usada com moderação em nossos pacientes.

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

A imagem por ressonância magnética (MRI) é um método de imagem dos tecidos moles do corpo, como o cérebro e a medula espinhal, aplicando um campo magnético externo.

Padrão de Diagnóstico. Uma ressonância magnética é o padrão OURO de diagnóstico para angioma cavernoso, especialmente quando realizada em uma máquina de ressonância magnética com uma força magnética de 3 Tesla (3T) incluindo sequências ponderadas de suscetibilidade (SWI). As recomendações específicas para médicos que solicitam ou realizam ressonância magnética estão incluídas nas Diretrizes para Cavernoma Cerebral.
Limitações. Os estudos de ressonância magnética requerem pelo menos 20 minutos para serem realizados, enquanto o paciente não deve se mover. Um estudo completo da coluna (neuro-eixo) pode durar até 90 minutos e, portanto, pode exigir sedação. Em segundo lugar, como a ressonância magnética usa um campo magnético, alguns implantes de metal podem tornar a ressonância magnética mais difícil ou impossível. Finalmente, algumas pessoas podem ser sensíveis ao agente de contraste, discutido abaixo, necessário para pelo menos uma ressonância magnética de linha de base.
Hemosiderina. Uma característica distintiva de um angioma cavernoso quando visualizado na ressonância magnética é o anel de hemossiderina ao redor da lesão. A hemossiderina é ferro, um subproduto da degradação do sangue. Como um angioma cavernoso tem paredes finas de vasos sanguíneos compostas por células que não se unem tão fortemente quanto outras células dos vasos sanguíneos na barreira hematoencefálica, o sangue está constantemente vazando para fora do angioma cavernoso. O sangue também pode ser liberado para o cérebro por meio de uma hemorragia. A ressonância magnética é muito boa para detectar hemossiderina.
Sequências. Na ressonância magnética, o cérebro é fotografado várias vezes usando uma variedade de sequências. De uma perspectiva leiga, em cada sequência, um angioma cavernoso parece um pouco diferente: branco, preto ou cinza. Uma discussão mais técnica das várias sequências pode ser encontrada no site Radiopaedia. Para angioma cavernoso, as sequências ponderadas de suscetibilidade e sequências ponderadas em T2 são as mais críticas para o radiologista.
Força do ímã. A força do ímã de uma ressonância magnética é medida em uma unidade chamada Tesla, abreviada como T. As forças do ímã comuns no momento desta escrita são 1,5T e 3T. Em alguns ambientes de pesquisa, um ímã 7T está em uso. Como era de se esperar, um ímã mais forte permite que o radiologista veja mais detalhes, às vezes de maneira impressionante.
Contraste. Gadolínio é o agente de contraste mais comum usado durante a ressonância magnética. É injetado através de um IV na metade da ressonância magnética para que o radiologista tenha uma série de imagens sem contraste e depois as mesmas imagens com contraste. Um agente de contraste pode não ser apropriado para indivíduos com rins comprometidos, já que o gadolínio é eliminado do corpo pelos rins. Há alguma preocupação sobre os depósitos de longo prazo de gadolínio no corpo, mas uma grande revisão não encontrou evidências de neurotoxicidade resultante do uso de gadolínio em exames de imagem. Um agente de contraste nem sempre é necessário para uma ressonância magnética de angioma cavernoso, especialmente após a primeira ressonância magnética. Você pode levantar esta questão com o médico solicitante.
Frequência. Frequentemente somos questionados sobre a frequência com que um indivíduo deve repetir uma ressonância magnética. Isso depende da atividade recente da lesão. Uma lesão com hemorragia recente deve ter imagens mais frequentes. Assim que a lesão estiver estável, as imagens podem ser programadas ou podem ocorrer apenas quando surgem novos sintomas. Esta é uma discussão entre um paciente e seu médico.
Considerações especiais para crianças. O exame de imagem para crianças pode ser complicado devido à necessidade de algum tipo de sedação e por preocupações com a exposição à radiação e ao agente de contraste.


TÉCNICAS AVANÇADAS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

A pesquisa está em andamento para validar e padronizar duas técnicas avançadas em imagens de ressonância magnética: mapeamento de susceptibilidade quantitativa (QSM) e imagem de permeabilidade quantitativa com contraste dinâmico (DCEQP). Ambas as técnicas estão sendo usadas em testes clínicos de drogas para medir se o medicamento está fazendo diferença na atividade de um angioma cavernoso. Ambos estão disponíveis apenas em centros de pesquisa especializados nos EUA e não são usados atualmente para a tomada de decisões clínicas.

QSM. QSM é uma técnica de ressonância magnética que mede o teor de ferro (uma medida substituta para a quantidade de vazamento de sangue) e está sendo desenvolvida como um biomarcador da atividade da doença.

DCEQP. A imagem de permeabilidade tenta medir a quantidade de produto sangüíneo que se move do vaso sanguíneo para o cérebro circundante como uma medida de vazamento do vaso sanguíneo ou integridade da barreira sangue-cérebro. A permeabilidade pode ser medida tanto na lesão do angioma cavernoso quanto em outros vasos sanguíneos do cérebro.
Um estudo recente documenta o uso de QSM e DCEQP e um projeto de preparação de teste atual para validar e padronizar essa tecnologia em vários locais em preparação para testes clínicos de drogas.

 

IMAGEM ESPECIALIZADA

fMRI. A ressonância magnética funcional (fMRI) fornece informações sobre a localização precisa de certas funções, por exemplo, a fala, no cérebro. Pode ser usado antes da cirurgia para permitir que o cirurgião planeje uma rota para a lesão do cavernoma cerebral que evita uma área específica. Também pode orientar a decisão sobre quanto de um angioma cavernoso pode ser removido com segurança, se houver.
Angiografia endovascular. A angiografia endovascular, uma técnica de imagem invasiva, não é usada para visualizar o cavernomas cerebrais porque os cavernoma são invisíveis com essa tecnologia. É realizado apenas para descartar outra patologia, como malformação arteriovenosa, se os resultados da RM forem ambíguos.
CTA e MRA A angiografia por tomografia computadorizada (CTA) e a angiografia por ressonância magnética (MRA) são ferramentas angiográficas não invasivas que estão substituindo a angiografia tradicional.


Por: Prof. Emerson Gasparetto

 

Cavernoma
Site7Dias