Atualidades

Estilo de vida

Nos últimos 5 anos, aprendemos que pode ser possível reduzir o risco de hemorragia e o desenvolvimento de novas lesões fazendo mudanças no estilo de vida.

Suplemento da Vitamina D

A vitamina D é uma vitamina solúvel em gordura encontrada em algumas fontes de alimentos, mas é produzida principalmente quando a pele é exposta à exposição ao sol UV e, em seguida, sintetizada pelo corpo. Acredita-se que a vitamina D, ou a falta dela, desempenhe um papel no comportamento do angioma cavernoso.


QUAL O PAPEL DA VITAMINA D NO ANGIOMA CAVERNOSO?

Sabemos que a inflamação é um dos mecanismos que impulsionam a doença do angioma cavernoso. A vitamina D é um modulador de inflamação natural e benéfica para o sistema imunológico, pois ajuda o corpo a combater o estresse oxidativo.
A pesquisa mostrou uma correlação entre um curso mais agressivo do angioma cavernoso e baixos níveis de vitamina D. Também há especulação de que a causa da exacerbação dos sintomas durante os meses de inverno é devido aos níveis de vitamina D abaixo do ideal.

QUANTA VITAMINA D É RECOMENDADA?

Recomenda-se testar seus níveis de vitamina D e complementar de acordo com D3 (colecalciferol) sob a orientação de seu médico.

A melhor maneira de obter vitamina D é expor ao sol e absorvê-la pela pele. A quantidade de vitamina D que é absorvida depende de sua localização, época do ano e hora do dia, mas durante os meses mais quentes, os benefícios podem ser alcançados em apenas dez minutos diários de exposição ao meio-dia.

Atualmente existe recomendação para que os pacientes com cavernoma, com sintomas ou não, façam a dosagem de sua Vitamina D sanguínea, se possível pela técnica de cromatografia líquida acoplada a espectrometria de massa (que é a mais rigorosa).

Embora não exista um limite ideal idêntico para toda a população mundial, no Brasil estima-se que esse valor seja em torno de 20-30 ng/mL.
Tais recomendações estão no artigo científico de Guidelines (diretriz consensual) para Diagnóstico e Tratamento de Cavernomas Cerebrais, publicados em 2017 na revista Neurosurgery.


Microbioma / saúde intestinal

Pesquisas recentes envolvendo o microbioma intestinal apontam para uma forte ligação entre a saúde de nosso intestino e sua influência na saúde do cérebro, incluindo o desenvolvimento de angiomas cavernosos.

O microbioma humano é uma comunidade de micróbios (bactérias, vírus, parasitas e fungos) que vivem dentro e sobre nossos corpos. Idealmente, esses micróbios vivem em equilíbrio e desempenham um papel de suporte em muitos processos no corpo. O microbioma intestinal requer uma camada protetora da mucosa para evitar que patógenos indesejados entrem no sistema e causem inflamação.

O MICROBIOMA E O ANGIOMA CAVERNOSO

Em 2017, o laboratório Kahn publicou uma pesquisa que identificou bactérias gram-negativas como desempenhando um grande papel no desenvolvimento de lesões de Cavernoma Cerebral em camundongos criados com uma mutação CCM. Parece que para as lesões se formarem, as bactérias gram-negativas devem vazar do intestino para iniciar uma resposta inflamatória. Isso impulsionou um estudo de acompanhamento que teve como objetivo identificar se camundongos modificados geneticamente, com mutações dos genes CCM, correm mais risco de ter o revestimento do intestino comprometido e, como resultado, mais lesões.

O que os pesquisadores descobriram foi que camundongos criados com o gene CCM3 corriam mais risco de desenvolver lesões aumentadas porque esses camundongos tinham produção de muco intestinal prejudicada.

O comprometimento da produção de muco tornou o revestimento do intestino mais permeável. Quando ocorre essa ruptura no revestimento mucoso, as bactérias gram-negativas prejudiciais têm a oportunidade de vazar para o sistema, causando uma resposta inflamatória e mais lesões. Embora camundongos com genes CCM1 ou CCM2 não tenham revestimento da mucosa intestinal prejudicado, a pesquisa demonstrou que, quando alimentados com uma dieta rica em emulsificantes, eles podem experimentar os mesmos efeitos prejudiciais no revestimento intestinal, causando uma proliferação de lesões.

Em 2020, os resultados do primeiro estudo de microbioma de pacientes cavernoma foram publicados. O objetivo era entender a aparência do microbioma intestinal e se ele difere do indivíduo médio. A pesquisa mostrou que aqueles com angioma cavernoso esporádico, bem como familial, realmente têm um microbioma intestinal único em comparação com aqueles sem a doença. Esta apresentação distinta demonstrou um desequilíbrio nas bactérias produtoras de gram-negativas que leva ao desenvolvimento de lesões ao ter seus antígenos LPSS escapando do revestimento intestinal com “vazamento” e chegando até o cérebro.

Agora sabemos que bactérias gram-negativas que vazam através de um revestimento permeável do intestino para o corpo podem desencadear uma resposta inflamatória e levar à formação de lesões ou torná-las ativas. Uma das melhores maneiras de mitigar isso é evitando os emulsificantes dietéticos.

O QUE EXATAMENTE SÃO EMULSIFICANTES?

Com o texto sobre microbioma aprendemos que uma das maneiras pelas quais podemos participar ativamente na proteção de nosso revestimento intestinal é evitando os emulsificantes, que são encontrados principalmente em alimentos processados.

Óleo e água não se misturam - até que um agente emulsificante seja adicionado.
Emulsificantes feitos de fontes vegetais, animais e sintéticas são comumente adicionados a alimentos processados, como maionese, sorvete e produtos assados para criar uma textura lisa, evitar a separação e estender a vida útil. Produtos com baixo teor de gordura, margarina, molhos para salada e muitos outros molhos cremosos são mais exemplos de alimentos que contêm emulsificantes.

https://www.cfsanappsexternal.fda.gov/scripts/fdcc/index.cfm?set=FoodSubstances&sort=Sortterm&order=AS
Lembre-se de que quanto mais processado um produto, maior a probabilidade de ele conter emulsificantes e outros ingredientes prejudiciais. Emulsificantes processados quimicamente, como polissorbato 80, são mais prejudiciais do que outros emulsificantes encontrados naturalmente em alimentos. O dano é dependente da dose. Uma pequena quantidade de um emulsificante, mesmo um emulsificante quimicamente processado, de vez em quando não vai destruir o revestimento do seu intestino. Devemos nos preocupar mais com o uso regular.

O QUE POSSO FAZER PARA AJUDAR MEU MICROBIOMA?

Um ótimo lugar para começar é evitando emulsificantes e reduzindo a ingestão de alimentos processados. O consumo de alimentos processados aumenta a inflamação e, em geral, são pobres em fibras. Incorporar mais plantas em sua dieta é uma forma essencial de alimentar seu microbioma. As plantas também contêm nutrientes poderosos, conhecidos como polifenóis, que ajudam a proteger nosso sistema imunológico e a regular a inflamação em nossos corpos. Para obter mais informações sobre como seguir uma dieta CCM saudável, confira a apresentação de Conferência de Pacientes da Angioma Alliance por Diane Darcy, RD em nosso canal no YouTube (angioma Alliance).
Aqui estão algumas dicas curtas para ajudá-lo a incorporar esses alimentos enquanto elimina emulsificantes de sua dieta:

Experimente adicionar um novo item alimentar saudável por semana; com o tempo, isso irá excluir os alimentos mais processados em sua despensa.
Apontar para um carrinho de supermercado com frutas e vegetais representando todas as cores do arco-íris; mais fibra e cor equivalem a um intestino mais saudável e nutrientes benéficos para combater a inflamação.

 

Você pode comprar o livro de receitas CCM-Healthy da Angioma Alliance para ter ideias de receitas sem emulsificante. Entre no endereço https://shopangiomaalliance.bigcartel.com/product/ccm-healthy-cookbook-and-reference-2019

É SEGURO TOMAR PROBIÓTICOS SE EU TIVER ANGIOMA CAVERNOSO?

No momento, não há evidências de que o uso de probióticos seja benéfico para indivíduos com angioma cavernoso. Houve casos em que pacientes apresentaram hemorragia e recentemente iniciaram a ingestão de probióticos. Até que saibamos mais, é recomendável que você evite tomar suplementos de probióticos.

OS ANTICOAGULANTES

Devido a preocupações com o risco de hemorragia, uma das perguntas mais comuns feitas por indivíduos com angioma cavernoso é: “Posso tomar anticoagulantes ou antitrombóticos se eu tiver um cavernoma cerebral?”

Os antitrombóticos são medicamentos usados para a prevenção e tratamento doenças com probabilidade de trombose, como após instalação de um stent em artérias do corpo. Eles incluem drogas antiplaquetárias e anticoagulantes. Um exemplo de medicamento antiplaquetário antitrombótico é a aspirina - AAS.

As drogas anticoagulantes (AC) incluem Warfarina (Coumadin), Heparina e novos tipos de AC como dabigatran ou enoxaparina (Clexane).

Até agora, a comunidade médica não estava clara sobre a segurança do uso desses tipos de drogas em pacientes com angioma cavernoso. Um estudo de 2019, de uma equipe de colaboração internacional que representa o Comitê Diretor da Auditoria Escocesa de Malformações Vasculares Intracranianas teve como objetivo determinar os efeitos que essas drogas têm em pacientes com Cavernoma Cerebral.
Seus achados indicam que o uso de terapia antitrombótica em pacientes com angioma cavernoso está associado a um menor risco de hemorragia ou déficit neurológico focal. Eles relatam pouca preocupação de segurança em pacientes que não sangraram recentemente.

Não é aconselhável, ao portador de um ou mais cavernomas cerebrais tomar qualquer antitrombótico (incluindo aspirina), após hemorragia recente.
Ainda não está claro como essa classe de medicamentos pode afetar aqueles que sofreram hemorragia anterior e estão sob maior risco de nova hemorragia, sendo sempre importante lembrar que se o paciente com cavernoma, sem sangramento recente, tem indicação médica de tomar anti-trombóticos ou antoicoagulantes deverá seguir a recomendação de seu médico pois tais drogas não induzem a hemorragia do cavernoma.

QUAIS SÃO AS RECOMENDAÇÕES ATUAIS?

De acordo com o autor sênior, Dr. Rustam Al-Shahi Salman, “as descobertas de nosso estudo me permitem continuar a tranquilizar outros médicos sobre o uso dessas drogas em pessoas com malformação cavernosa cerebral que têm outra condição médica - como batimento cardíaco irregular - onde já sabemos que esses medicamentos são benéficos para reduzir o risco de problemas de coagulação”. Além disso, as recomendações da Dr. Kelly Flemming incluem:

Não inicie por conta própria o uso diário de aspirina ou anticoagulantes, a menos que seu médico tenha recomendado. Se você tiver uma condição que possa exigir um anticoagulante e sua doença CCM estiver estável por um ano ou mais, especialmente se você tiver a forma esporádica da doença, você deve se sentir seguro de que pode fazê-lo com segurança. Consulta com um médico bem versado em CCM que possa verificar se sua doença é estável.

Mantenha o uso de anticoagulantes por curto espaço de tempo, se possível.
Fonte: https://www.angioma.org/

 

Cavernoma
Site7Dias