logo

Venho de uma história de vida difícil

De uma miserabilidade financeira e violência doméstica (por ter um pai alcoólatra). Investi em meus estudos, fiz um curso técnico em enfermagem para custear minha graduação na mesma área. Mudei para brasilia para fazer através de concurso uma residência em enfermagem e concomitante uma especialização em cardiologia. Já em face para o mestrado na UNB, comecei a ter: tonturas, náusea e vômitos. Até os 36 anos nunca havia tido nada além de uma gripe.

Fui diagnosticada por 4 otorrinos com labirintite. Somente 15 dias depois, pediram uma ressonância de crânio, porque os sintomas só pioravam. Encaminhada para uma neurocirurgiã que constatou um cavernoma em região de bulbo e havia sangrado.

Fiquei na UTI e depois enfermaria. Ela explicou a doença, os riscos e os cuidados que deveria ter. E li bastante artigos. Fui encaminhada para São Paulo e realizado cirurgia em 05/04/2012. Saí com sequela mínima de nistagmo, que impedia, focar objetos, ler, caminhar só...

Gradativamente houve melhora, estava quase voltando a trabalhar, quando comecei apresentar tremores (parkinsonismo ). Vários médicos querem reoperar, lido com o desconhecimento das pessoas sobre a doença. Não sou um objeto.

A mensagem que quero deixar não é de sofrimento lastimável. Mas de uma pessoa que encontrou aqui um espaço para compartilhar os obstáculos do dia-a-dia, a eterna paciência que temos que desenvolver, a crença que amanhã será um dia melhor, as decisões que temos que tomar.

E por fim a nossa vida que temos que reinventar todos os dias para sermos felizes.
Abraços de luz em todos.

Com carinho, elzi.